Burlas e fraudes com cartões de crédito

Burlas e fraudes com cartões de crédito

burlas com cartões de créditoAtentos a uma realidade que interessa aos nossos leitores – o cartão de crédito, demos conta recentemente de duas notícias aparentemente contraditórias em relação ao número de fraudes e de burlas com cartões.

A contradição não é real porque o universo ou domínio de aplicação das informações não é o mesmo: uma diz respeito ao domínio europeu e outra tem apenas a ver com Portugal e os portugueses, e ainda para mais resulta de uma alteração de comportamentos, mas passo já a explicar … 

O Banco Central Europeu (BCE) anunciou, como referi, recentemente, que as fraudes com cartões de crédito caíram como nunca se tinha visto desde o ano de 2007.

Esta avaliação diz respeito à chamada SEPA, Área Única de Pagamentos do Euro, e segundo comunicado de um dos “carrascos portugueses” que constitui a troika, esta tendência de descida, deve-se aos avanços tecnológicos que tornam as transferências mais seguras.

Pelos vistos, ou pelo menos de acordo com a avaliação que o BCE faz destes números, as fraudes que têm como base o cartão de crédito, migram para países onde a tecnologia está menos desenvolvida.

Pese embora o aumento da utilização de cartões de crédito na Área Única de Pagamentos do Euro (SEPA) que inclui 32 países – os da União Europeia, mas também a Islândia, o Liechtenstein, o Mónaco, a Noruega e a Suíça, entre 2010 e 2011 ocorreu uma redução em valor das fraudes.

Nesta região que perfaz cerca de 516 milhões de habitantes, as fraudes com cartões de crédito atingiram 1160 milhões de euros em 2011, menos 6.8 por cento que no ano anterior.

Entre 2007 e 2011, o valor das fraudes com cartões de crédito caiu 7.6%, apesar do número de transações com este meio de pagamento ter aumentado 10.3%.

Como referi, o outro indicador é aparentemente contraditório é dá conta de uma aumento destas fraudes ou burlas, como lhe queiramos chamar.

O pior, é que nos diz respeito em particular, pois não tem o âmbito europeu do estudo do BCE.

A informação dá conta que de Janeiro a Maio deste ano, foram abertos 736 inquéritos devido a queixas de burla com a utilização de cartões de crédito.

Este aumento, que representa um incremento de 60% face a igual período de 2012, felizmente tem uma explicação que o atenua e que nos impede de extrapolar que efetivamente as burlas estejam a aumentar em Portugal – a nova exigência da banca, que exige que os clientes apresentem uma queixa na Polícia, antes de lhes restituírem os montantes perdidos nas burlas.

Parece que a banca se está a rodear de cautelas, para também ela não ser vítima de burlas. Mais uma com base no cartão de crédito, mas desta feita, supostamente perpetrada pelos próprios clientes que se fazem passar por vítimas.

O inspector-chefe da Unidade Nacional de Combate à Corrupção da Polícia Judiciária, dá conta que a imposição dos bancos da apresentação de uma queixa na Polícia, visa averiguar se a transação foi realmente ilícita, pois, segundo alegam as instituições bancárias, casos há em que os clientes se apresentam como vítimas de burla, tendo, no entanto, transferido o dinheiro para terceiros.

Ficou esclarecido? As “reais” burlas com cartões de crédito, estarão a aumentar ou a diminuir?

Tags

 

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

*